Porque vocês devem ouvir o que eu digo? Parte XII

Esse post é parte 12 de 13 na série Porque vocês devem ouvir o que eu digo?

origin_7129105247

Ao chegar em casa, naquele dia 26 de outubro de 2011, informei o que havia acontecido comigo a minha esposa e também em relação a expulsão dela.

Aquilo foi um choque para ela, pois sequer ela estava fazendo aquela disciplina que estávamos vendo no seminário, pois já havia concluído ela em Vitória-ES, mais ainda, ela foi julgada e condenada sem sequer ter direito de defesa, ficava claro que o Justo Juiz não estava naquele julgamento, era um simples julgamento de homens.

O Senhor deu direção a ela de ir na segunda seguinte pedir explicações para que ela pudesse entender como tudo aquilo aconteceu sem ela estar presente.

Antes de continuar falando sobre o que aconteceu naquela segunda, dia 31 de outubro de 2011, gostaria de falar sobre algumas coisas que o Senhor me mandou profetizar durante toda aquela semana, que nos dão mais pistas sobre o que realmente aconteceu, espiritualmente falando, em todo aquele mover nos últimos meses daquele período.

  • Deus me mandou profetizar a devolução dos territórios de Israel da época Salomão. Me mandou ler em alta voz Ezequiel 25 e 26;

  • Me mandou profetizar algumas coisas que estão em Apocalipse 16 e ler aquele capitulo em alta voz;

  • O Senhor me disse que a morte de um profeta do ministério ao qual fui expulso havia completado o número de justos em Apocalipse 6:11-13:E foram dadas a cada um compridas vestes brancas e foi-lhes dito que repousassem ainda um pouco de tempo, até que também se completasse o número de seus conservos e seus irmãos, que haviam de ser mortos como eles foram. E, havendo aberto o sexto selo, olhei, e eis que houve um grande tremor de terra; e o sol tornou-se negro como saco de cilício, e a lua tornou-se como sangue; E as estrelas do céu caíram sobre a terra, como quando a figueira lança de si os seus figos verdes, abalada por um vento forte.”;

  • Ao interpretar as línguas que orava, eu profetizava sobre um terremoto que aconteceria (Tive visões com o condomínio onde moro, que tem três torres, onde apenas a minha torre estava de pé e a da esquerda e da direita estava em ruínas);

Vamos voltar agora ao que aconteceu no dia 31 de outubro de 2011:

Minha esposa estava irredutível para ir saber o porquê de sua expulsão naquela segunda feira as 20:00hs, porém como Deus não havia falado nada eu continuei relutante quanto a isso até as 17:30hs, quando Ele me disse que eu deveria levar minha esposa naquele lugar, porém só deveríamos chegar lá quando a aula tivesse começado.

Quando eu ainda estava no ônibus voltando para casa Ele me disse:

“Beba o cálice e Ceie Comigo!”

A princípio não entendi o que o Senhor queria me dizer com aquilo, porém em seguida Ele foi mais claro.

Disse que as 19:45hs eu deveria me reunir com a  minha esposa e filha, para cearmos com Ele, usando o suco de uva que Ele havia mandado que eu reservasse no dia anterior.

Disse ainda que deveríamos sondar os nossos corações, pedir perdão caso necessário e perdoar aos que nos haviam ofendido.

Pediu que ao chegar lá eu ficasse com a nossa filha no carro, enquanto esperava minha esposa falar com a diretora.

Fizemos exatamente como o Senhor nos orientou e por volta das 20:15hs,  enquanto minha esposa estava a mais ou menos uns 10 minutos em reunião e eu esperava com minha filha no carro por ela, senti pela primeira vez algo fisicamente em meu corpo que a partir desse dia se tornou comum, na minha comunhão com o Senhor, para que eu não tivesse dúvida do que Ele queria me dizer.

Senti no meu coração uma dor indescritível, era como se um anzol de pesca, um grande anzol, tivesse cravado em meu coração e alguém estivesse puxando com força, a dor foi tanta que eu pus a mão no peito e baixei a cabeça para ver se aliviava.

Nesse exato momento o Senhor me disse:

“Essa é a dor que estou sentindo pelos que estou perdendo hoje!”

Exatamente as 20:26hs o Senhor me disse:

“Está consumado!”

Essa foi a hora exata que minha esposa disse que eles confirmaram a sua expulsão!

Uma das coisas que me deixaram mais tristes em toda aquela situação, além da dor da perda que o Senhor me mostrou, foi saber que aquele irmão, com um coração maravilhoso, que participou do meu “Julgamento” levado pelas circunstância, disse a minha esposa que eu estava com espírito de engano.

Depois desse dia fomos tratados como leprosos (na época de Jesus)  por aquelas pessoas, a grande maioria não se pronunciava em nada nas redes sociais quando se trava de mim ou minha esposa, nem sequer no nascimento do nosso filho.

Presenciei ainda em relação a aquelas pessoas que nos abandonaram o amor é longanimidade do Senhor e das chances e mais chances que Ele pode dar as pessoas. Em janeiro de 2012 minha esposa estava querendo fazer um chá de fralda para o nosso filho Filipe que nasceria em maio de 2012, porém não iriamos fazer pois a situação financeira não estava favorável.

Ao mesmo tempo recebemos a direção de fazer aquele chá de fralda no dia 11 de fevereiro de 2012, que por sinal foi exatamente 3 meses antes do nascimento do Filipe, dia 11 de maio, porém tinha uma condição do Senhor:

“Convidar todos os membros daquela igreja para o chá de fralda!”

Relutante falei isso para a minha esposa e ela me disse ter recebido a mesma direção do Senhor. Em uma luta contra a nossa carne, não por falta de amor a eles, mas para que não viesse mais condenação sobre ninguém, no final fizemos exatamente como o Senhor nos havia orientado.

Quero apenas dizer que dois ou três responderam informando que não poderiam vir pois tinham outro compromisso e além disso mais ninguém nos disse nada e ninguém que pertencia aquele ministério compareceu.

Quero encerrar com dois trechos bíblicos que me foi dado pelo Senhor dias depois desse mover em outubro de 2011, que podem nos esclarecer muitas coisas, inclusive sobre as profecias liberadas por Ele sobre a purificação da Igreja!

“Vejam, eu enviarei o meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim. E então, de repente, o Senhor que vocês buscam virá para o seu templo; o mensageiro da aliança, aquele que vocês desejam, virá”, diz o Senhor dos Exércitos. Mas quem suportará o dia da sua vinda? Quem ficará de pé quando ele aparecer? Porque ele será como o fogo do ourives e como o sabão do lavandeiro. Ele se sentará como um refinador e purificador de prata; purificará os levitas e os refinará como ouro e prata. Assim trarão ao Senhor ofertas com justiça. Então as ofertas de Judá e de Jerusalém serão agradáveis ao Senhor, como nos dias passados, como nos tempos antigos. “Eu virei a vocês trazendo juízo. Sem demora vou testemunhar contra os feiticeiros, contra os adúlteros, contra os que juram falsamente e contra aqueles que exploram os trabalhadores em seus salários, que oprimem os órfãos e as viúvas e privam os estrangeiros dos seus direitos, e não têm respeito por mim”, diz o Senhor  dos Exércitos.” MALAQUIAS 3:1-5

Aqui fala da recompensa para os obedientes:

Depois aqueles que temiam ao Senhor conversaram uns com os outros, e o Senhor os ouviu com atenção. Foi escrito um livro como memorial na sua presença acerca dos que temiam ao Senhor e honravam o seu nome. “No dia em que eu agir”, diz o Senhor dos Exércitos, “eles serão o meu tesouro pessoal. Eu terei compaixão deles como um pai tem compaixão do filho que lhe obedece. Então vocês verão novamente a diferença entre o justo e o ímpio, entre os que servem a Deus e os que não o servem.”. MALAQUIAS 3:16-18:

Continua se for da vontade do Senhor Jesus!

Porque vocês devem ouvir o que eu digo? Parte XI

Esse post é parte 11 de 13 na série Porque vocês devem ouvir o que eu digo?

large_4203115338

Ao entrarmos naquele lugar, para requerer para Deus o que o mundo  estava de posse indevidamente, o Senhor me disse que eu encontraria três pessoas e que as três me perguntariam porque eu estava ali e eu deveria responder:

“Vim receber o que o meu Pai me deu!”

Tudo aconteceu conforme o Senhor havia me dito e três pessoas me perguntaram a mesma coisa, porém na terceira vez, veio sobre mim uma autoridade que quase me levava ao chão de tamanho poder que estava presente, minha vista chegou até a escurecer do tamanho poder que foi liberado.

Em seguida recebi a ordem do Senhor, confirmando que tudo já estava feito. Após essas coisas fui almoçar na hora exata que Ele havia me mandado ir, ao meio dia.

Estávamos sentados na praça de alimentação, e exatamente as 12:15hs, sentimos o chão daquele lugar tremer e ouvimos o som de um vento impetuoso, sei que apenas quem tinha que ouvir e ver aquelas coisas as estava sentindo e ouvindo.

Nesse instante o Senhor sussurrou aos meus ouvidos a seguinte frase:

“Os tempos se cumpriram! Da mesma forma que com a morte do Meu Filho ouve um terremoto, assim será no cumprimento dos tempos!”

O que me lembrou essa passagem nas Sagradas Escrituras:

50.Depois de ter bradado novamente em alta voz, Jesus entregou o espírito.  51. Naquele momento, o véu do santuário rasgou-se em duas partes, de alto a baixo. A terra tremeu, e as rochas se partiram. 52. Os sepulcros se abriram, e os corpos de muitos santos que tinham morrido foram ressuscitados.  53.E, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição de Jesus, entraram na cidade santa e apareceram a muitos. 54. Quando o centurião e os que com ele vigiavam Jesus viram o terremoto e tudo o que havia acontecido, ficaram aterrorizados e exclamaram: “Verdadeiramente este era o Filho de Deus! ” Mateus 27:50-54

Nesse momento Deus me mostrou ainda Apocalipse 18, que representa a queda da Babilônia.

Confesso que achei que aquele terremoto que sentimos iria se cumprir naquela semana, mas hoje tenho uma única certeza:

‘Que um grande terremoto será também um sinal que antecederá a Vinda do Senhor Jesus para Estabelecer o seu Reino na Terra!”

Depois de todas essas coisas recebi a direção do Senhor de voltar para casa, porém recebi outra orientação: Não ir a aula do seminário naquele dia!

Na quarta feira, dia 26 de outubro de 2011, muito atribulado no espírito, recebi a ordem do Senhor de ir para a aula, já sabendo em espírito o que me esperava.

Ao começar a aula, que naquela disciplina estava sendo ministrada pelo mesmo pastor da igreja que eu havia me desligado, fui convidado a ir até a secretaria da escola.

Ao me levantar deixei a bíblia sobre a minha cadeira e ao dar alguns passos o Senhor me disse:

“Pegue a sua Bíblia pois você não entrará mais aqui!”

Fui até a secretaria e lá estavam três pessoas me aguardando para o meu “Julgamento”:

A diretora da escola, que era esposa do pastor que estava dando aula, a irmã que o Senhor havia me dito que ela faria o mesmo que Judas fez a Ele e um irmão, de bom coração, mas que levado pelas circunstâncias e pelo pouco conhecimento do que havia acontecido, também estava ali para servir de testemunha do meu “Julgamento” .

A primeira pergunta foi:

“Você disse que existe um espírito de engano em meu marido?”

Eu respondi que sim e em seguida veio a segunda pergunta:

“Qual espírito?”

Eu respondi:

“O mesmo espírito que agiu em Jezabel e Acabe!”

Ela então me falou:

“Você se retrata do que você disse diante dessas testemunhas?”

Eu disse:

“Eu não posso fazer isso, pois se assim o fizesse estaria negando ao meu Senhor!”

Ela então me deu a sentença:

“Sendo assim você não pode mais permanecer fazendo este curso, pois o seu coração não é digno de estar aqui, você guardou rancor do meu marido desde a sua saída da igreja!”

“Sua esposa não poderá também fazer mais o curso!”

Em resumo minha esposa foi julgada sem sequer estar lá, o que mostra a verdadeira intenção desde o princípio.

Eu respondi:

“A partir de hoje não vai mais haver aula neste lugar!”

Ela então enfurecida quase me empurrou da sala, falando muito irritada que não iria acontecer nada daquilo.

Falei aquela última frase, sem saber o que estava dizendo, e depois achei que isso aconteceria no natural, porém aquela minha frase tinha um significado espiritual:

“A partir de hoje O Espírito Santo não estará mais aqui nas aulas, de agora em diante será apenas letra morta que será ensinada aqui!”

Fui embora daquele lugar, depois de ficar um tempo no carro esperando alguma direção do Senhor, porém ainda tinha algo mais para acontecer sobre tudo aquilo.

continua no próximo post (28/02/2013)…