Se Tu Podes Crer! Tudo é Possível ao que CRÊ! Parte I

Esse post é parte 1 de 2 na série Tudo é Possível ao que Crê!

principio e fim

Nos tempos de Jesus, ter filhos era algo muito importante para um casal segundo a cultura judaica, uma vez que a prole era considerada o prolongamento da vida, a imortalidade vista através da genealogia humana.

Para a esposa, o filho representava a confirmação divina de sua condição fértil, da real união com seu marido, possibilitando que a semente deste possa proliferar-se sobre a terra, já para o marido, um filho significava a extensão de sua própria vida, de seu nome, em especial quando se trata de um menino. Por este motivo, a união entre um homem e uma mulher deveria resultar em vida, uma nova vida, que trazia em si a confirmação da benção de Deus sobre o casal, tornando-os uma família.

O que deveria ser benção tornou-se grande tormento na vida de um casal judeu, que não tendo mais onde buscar ajuda para a solução de seu problema decide recorrer a Jesus, o Nazareno. Ao encontrar os apóstolos, o pai relata a estes seu problema, e eles não puderam lhe ajudar, levantando com isto grande discussão com os escribas sobre a questão. Jesus chega entre eles e lhes pergunta o que está ocorrendo, antes mesmo de ouvir a resposta dos apóstolos, o pai desesperado se lança aos pés de Jesus suplicando-lhe ajuda.

‘E um, dentre a multidão, respondeu: Mestre trouxe-te o meu filho, possesso de um espírito mudo; e este, onde quer que o apanha, lança-o por terra, e ele espuma, rilha os dentes e vai definhando. Roguei a teus discípulos que o expelissem, e eles não puderam. Então, Jesus lhes disse: Ó geração incrédula, até quando estarei convosco? Até quando vos sofrerei? Trazei-mo.(Marcos 9.17-19 Ilumina Gold 2009- RA)’

Apesar de sucinto, o relato deste pai nos mostra a grande tribulação vivida por sua família. Dor angustia e sofrimento provocaram no ceio familiar o desespero diante da impossibilidade de solução para a condição em que vivia seu filho. Era necessário vigiar o menino em todas as vigílias de um dia, vinte e quatro horas, para segurança de sua própria vida.

Será que a vida desta família era normal! Será que tinham ajuda de seus irmãos, parentes, amigos… Como deveria ser sua rotina diária, sua relação marital. Qual será a expectativa de futuro deste casal… Certamente não era normal. Afinal, seu filho, seu único* filho tornou-se ainda na infância possesso de um demônio, que em qualquer lugar e a qualquer hora o lançava no fogo, na água, na terra, fazendo espumar e ranger os dentes, contorcendo seu corpo na tentativa de conduzi-lo a morte.

Não bastasse isto, tal possessão atingia o físico da criança, deixando-a muda e surda. Imagine o tamanho da dor deste pai, desta mãe; dor que se multiplicava dia a dia frente a situação de seu filho. *Lucas 9. 38.

Temos aqui um quadro atual, vivenciado pela sociedade brasileira, que hoje esta entre os países onde mais se consome crack. Famílias sendo desintegradas pela perda de seus filhos, tragadas pelo desespero, impotentes diante de um demônio chamado crack, afinal, bastam duas ou três fumadas no cachimbo da morte para que a droga possua por completo um individuo. Velhos, adultos, jovens e crianças totalmente sujeitos a ação do mal, que age rapidamente tornando o ser humano surdo a voz de sua família, a voz daqueles que por ventura tentarem ajudar.

Aprisionados em si mesmos, mudos diante da imponente força que os domina, entregam seu corpo, sua alma, seu espírito ao senhorio do crack, que os conduzirá com maestria até morte. Sem ajuda, pais e mães tornam-se enfermos dia a dia enquanto sua família é arrastada ao caminho da desesperança, da solidão, da falta de fé.

Solitário em sua luta, sem fé e esperança, este pai se lança diante de Jesus, na tentativa de quem sabe encontrar uma solução, a atitude de Jesus é no entanto surpreendente. Vendo o menino caído ao chão, Jesus se volta a seu pai e lhe pergunta:

Quanto tempo isto ocorre? Após ouvir um relato ainda mais minucioso Jesus é questionado por aquele homem que lhe diz: Se tu podes alguma coisa, tem compaixão de nós e ajuda-nos.

Jesus então lhe diz: Se tu podes crer! Tudo é possível ao que crê.

‘E trouxeram-lho; e, quando ele o viu, logo o espírito o agitou com violência; e, caindo o endemoninhado por terra, revolvia-se, espumando. E perguntou ao pai dele: Quanto tempo há que lhe sucede isto? E ele disse-lhe: Desde a infância. E muitas vezes o tem lançado no fogo e na água, para o destruir; mas, se tu podes fazer alguma coisa, tem compaixão de nós e ajuda-nos. E Jesus disse-lhe: Se tu podes crer; tudo é possível ao que crê.(Marcos 9.20-23 Ilumina Gold 2009- RC)’

Jesus poderia ter solucionado a questão de forma direta, no entanto a falta de fé daquele pai lhe chamou a atenção, “mas, se tu podes alguma coisa”. Por este motivo Jesus busca restaurar na vida daquele pai a coisa mais necessária ao ser humano, sua fé em Deus, “se podes! Tudo é possível ao que crê”.

A maioria das pessoas que bate a porta de uma Igreja não está em busca de Deus e de sua vontade, na verdade são conduzidas por desejos pessoais, pelo desespero de situações impostas pela vida, iriam a qualquer lugar em busca de uma solução, esta era a condição daquele pai.

A vontade de Deus não esta apenas em solucionar os problemas últimos de um ser humano, mas por meio de Jesus sua vontade é estabelecer um relacionamento com o homem, tirando-o da condição de pecador para filiação, onde o próprio Deus conduzirá sua vida. Você veio a mim, e questiona se eu posso fazer alguma coisa… Se tu podes crêr! Tudo é possível ao que crê.

E você! Pode crer?

Continua…

Navegar na SérieSe Tu Podes Crer; Tudo é Possível ao que Crê. ( Parte II ) >>

Tags , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *