Porque vocês devem ouvir o que eu digo? Parte IX

Esse post é parte 9 de 13 na série Porque vocês devem ouvir o que eu digo?

origin_3748409981

Antes de continuar e contar o que aconteceu depois da minha saída daquela igreja, o que ocasionou dois meses depois a minha expulsão e da minha esposa do seminário que fazíamos, pois ele era ligado ao mesmo ministério, gostaria de falar um pouco sobre aquele homem, que havia sido separado como pastor em Salvador, pelo seu líder, e que havia sido impedido por quase dois anos por aquele outro pastor de assumir o chamado naquele ministério.

Muitos ao beber o cálice, na ceia, não levam em consideração o que a palavra de Deus diz em 1 Coríntios:

26. Porque, sempre que comerem deste pão e beberem deste cálice, vocês anunciam a morte do Senhor até que ele venha. 27. Portanto, todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será culpado de pecar contra o corpo e o sangue do Senhor. 28. Examine-se o homem a si mesmo, e então coma do pão e beba do cálice. 29. Pois quem come e bebe sem discernir o corpo do Senhor, come e bebe para sua própria condenação. 30. Por isso há entre vocês muitos fracos e doentes, e vários já dormiram. 1 Coríntios 11:26-30

Naquele domingo, Satanás usou aquele homem em cima do púlpito para provocar aquele pastor que havia dito que começaria uma obra em sua casa, para despertar a ira e indignação naquele homem, porém para ficar mais claro falarei sobre algumas coisas que aconteceram meses antes.

Quando conheci aquele pastor que havia vindo de Salvador para começar a obra, ele estava muito triste e aquele descaso com o seu chamado por parte daquele pastor, havia despertado muitos sentimentos naquele homem, que era justamente o que Satanás queria.

Um certo dia ele me confidenciou que estava com um problema de saúde, algo que para o mundo não tem uma cura garantida e que na maioria das vezes leva a morte.

Antes da viajem que fiz à São Paulo, para uma conferência, em maio de 2011, o Senhor me mandou ir até o apartamento dele para orar pela sua saúde, onde presenciamos a Glória de Deus na sua casa ao ponto de ficarmos com dificuldade de enxergar com o brilho da Glória do Senhor.

O Senhor me revelou que se eu não tivesse chegado à vida daquele homem naquele momento, Satanás teria tido êxito nos planos de tirar a vida daquele homem, o que me fez chorar muito e Glorificar a Deus por Ele ter me usado para impedir os planos malignos do inimigo.

Na terça seguinte a minha saída da igreja e de tanta provocação de Satanás àquele homem, no dia da Ceia do Senhor, estava marcada a cirurgia para retirada de um cisto em um dos seus órgãos.

Pela fé e a certeza que nós tínhamos, quando os médicos fossem retirar o cisto, ele não estaria mais lá, porém durante toda aquela terça, dia 09 de agosto de 2011, fiquei atribulado no espírito e orando sem parar praticamente o dia inteiro, pois a cirurgia seria no meio da tarde.

Ao sair do trabalho fui até o hospital e para a minha surpresa ele ainda estava na sala de cirurgia. A boa notícia que tive quando ele saiu é que o cisto não era exatamente o que eles haviam diagnosticado, pois era a forma mais leve que poderia existir daquela enfermidade.

No mesmo dia me questionei porque ele não havia recebido a cura total e o Senhor me mandou ler exatamente a passagem em 1 Coríntios que vocês viram acima e me lembrou da armadilha que Satanás fez para  ele no domingo anterior.

Na quarta feira o Senhor me disse que eu teria que ir orar por ele no hospital, pois a situação dele não estava boa e que o inimigo ainda estava tentando tirar a sua vida.

No sábado eu e minha esposa fomos visitá-lo, porém levamos nossa filha por não ter com quem deixar naquele momento, o que não era permitido naquele hospital, por isso tivemos que ir um por vez.

Ao chegar lá o encontrei muito debilitado, pois a cirurgia não parava de sangrar, pela sonda que haviam colocado nele.

Disse ainda que no dia anterior, viu um demônio em um dos pacientes que estavam no mesmo quarto que ele e que ao tentar reprender o demônio, ficou muito fraco e sem forças, no que o Espírito Santo disse a ele que não fizesse aquilo sozinho, pois era necessário que chamasse a mim e minha esposa para orarmos juntos, devido a seu estado de saúde.

O que ouvi confirmava o que o Senhor havia me dito na quarta, que nos deveríamos orar por ele no hospital, porém tinha um detalhe, o Senhor disse a minha esposa que aquela oração teria que ser feita naquele dia, senão ele não suportaria e para piorar ao nosso querido irmão o Senhor disse que teríamos que orar fora do horário de visitas.

Peguei minha filha e levei até a casa de um parente de minha esposa para que ela ficasse com ela por ao menos uma hora, que para a honra e Glória de Deus ela estava disponível.

Voltamos e nos dirigimos até o porteiro que prontamente nos respondeu que não permitiria a nossa entrada, ao tempo que eu disse:

“Se o Senhor me mandou aqui para orar por ele é porque as portas vão se abrir para que isso aconteça!”

Ligamos para o nosso irmão informando que não poderíamos entrar, segundo os homens, porém continuávamos na recepção orando para que isso fosse possível, ao mesmo tempo em que ele mandou sua esposa falar com o porteiro, mesmo sem esperar a sua liberação.

Milagrosamente ao chegar lá ele respondeu que nos daria 5 minutos para orarmos e nada mais que isso. Outro fato milagroso é que por ser véspera do dia dos pais, quase todos os pacientes receberam alta, ficando apenas mais um no quarto com ele.

Chegamos ao quarto com o nosso pouco tempo de 5 minutos, nos demos as mãos e eu perguntei se ele gostaria de fazer a oração, o que ele respondeu que eu fizesse.

Abri a minha boca e os sinais maravilhosos começaram a acontecer, quando comecei a fazer a seguinte oração:

“Pai, me dissestes que quando me mandasse orar pelos enfermos, em nome de Jesus, eles seriam curados!”

Nesse instante a Glória de Deus encheu aquele lugar, em forma de um “Fogo Branco”, que cobriu a todos nós, que com os olhos espirituais abertos presenciamos, os quatro, aquele milagre, ao mesmo tempo em que eu tinha uma visão dos órgãos do meu irmão sendo restaurados e declarava isso no nome de Jesus.

O calor era tanto com a Glória de Deus que havia descido ali, que o meu irmão que estava enfermo tirou o lençol que estava sobre ele e começou a fazer círculos com o dedo mostrando o “Fogo que estava sobre ele”.

Tive ainda a visão de um espírito de enfermidade e protamente o repreendí em nome de Jesus!

Em seguida, cheio do Espírito Santo, com meu corpo vibrando com tamanho poder que estava sobre mim, dei um beijo em sua testa.

Naquele instante o Senhor derramou sobre mim o Seu amor por aquele homem, o que fez lágrimas rolarem no meu rosto, então compreendi que aquele beijo era a expressão humana desse amor que havia sido derramado em mim.

O Senhor me mandou dizer a ele que a Sua Glória permaneceria ali sobre ele por um tempo até que ele fosse reestabelecido.

Minha esposa testemunhou que assim que a Glória de Deus veio sobre nós, um demônio saiu rastejando debaixo daquele leito, olhando para traz, incomodado com a Glória do Senhor que havia descido ali, porém ela disse que a mesma Glória o ofuscava e ele não conseguia nos enxergar.

No dia seguinte para a Honra e Glória de Deus, meu irmão estava de pé, já em outra enfermaria, pregando a Palavra de Deus para os que estavam enfermos ali, e menos de uma semana depois estava em casa para a honra e glória do Senhor.

continua no próximo post (26/02/2013)…

Navegar na Série<< Porque vocês devem ouvir o que eu digo? Parte VIIIPorque vocês devem ouvir o que eu digo? Parte X >>

Tags , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *