Se existe um só Pastor e Mestre, porque tantas igrejas e doutrinas diferentes?Texto

Ontem a noite enquanto orava, pedi ao Senhor que me guiasse mais um vez no post de hoje.  Ao deitar Ele me mandou ler João 10:11-21:

“Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas. Mas o mercenário, e o que não é pastor, de quem não são as ovelhas, vê vir o lobo, e deixa as ovelhas, e foge; e o lobo as arrebata e dispersa as ovelhas. Ora, o mercenário foge, porque é mercenário, e não tem cuidado das ovelhas. Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido. Assim como o Pai me conhece a mim, também eu conheço o Pai, e dou a minha vida pelas ovelhas. Ainda tenho outras ovelhas que não são deste aprisco; também me convém agregar estas, e elas ouvirão a minha voz, e haverá um rebanho e um Pastor. Por isto o Pai me ama, porque dou a minha vida para tornar a tomá-la. Ninguém ma tira de mim, mas eu de mim mesmo a dou; tenho poder para a dar, e poder para tornar a tomá-la. Este mandamento recebi de meu Pai. Tornou, pois, a haver divisão entre os judeus por causa destas palavras. E muitos deles diziam: Tem demônio, e está fora de si; por que o ouvis? Diziam outros: Estas palavras não são de endemoninhado. Pode, porventura, um demônio abrir os olhos aos cegos? João 10:11-21”

Para entendermos o que tenho para dizer é necessário também ler Mateus:8-12:

“Vós, porém, não queirais ser chamados Rabi, porque um só é o vosso Mestre, a saber, o Cristo, e todos vós sois irmãos. E a ninguém na terra chameis vosso pai, porque um só é o vosso Pai, o qual está nos céus. Nem vos chameis mestres, porque um só é o vosso Mestre, que é o Cristo. O maior dentre vós será vosso servo. E o que a si mesmo se exaltar será humilhado; e o que a si mesmo se humilhar será exaltado. Mateus 23:8-12

Nessas passagens Jesus nos deixa claro algumas coisas:

1° – O bom pastor da a sua vida pelas ovelhas;
2° – O mercenário e o que não é pastor abandona as ovelhas na ora do perigo;
3° – O lobo (satanás) é quem arrebata as ovelhas e as dispersas, quando o pastor mercenário ou o falso pastor as abandona;
4° – O  bom pastor (Jesus, através de cada um de nós), torna a buscar as ovelhas que se dispersaram e ainda deseja que as que não são do seu rebanho se junte as outras ;
5° – Só existe um pastor e mestre;
6° – Conheceremos os falsos pastores e mestres pelos seus frutos;
7° – Jesus é quem dá e pode tirar a vida eterna;
8° – Quem nos exalta é Deus e não homens;
9° – Quem quiser exaltar a si mesmo, será humilhado.

O que tenho visto hoje em dia, em algumas igrejas, é que muitos pastores estão muito mais preocupados com sua autopromoção,  do que em manter as ovelhas do rebanho livres das garras do lobo (satanás), ovelhas que são de Jesus e não dele.

Os que amam Jesus pastoreiam suas ovelhas por amor a Ele e não por interesses próprios:

“15 Depois de comerem, Jesus perguntou a Simão Pedro: “Simão, filho de João, você me ama mais do que estes?”Disse ele: “Sim, Senhor, tu sabes que te amo”.Disse Jesus: “Cuide dos meus cordeiros”.16 Novamente Jesus disse: “Simão, filho de João, você me ama?”Ele respondeu: “Sim, Senhor, tu sabes que te amo”.Disse Jesus: “Pastoreie as minhas ovelhas”.17 Pela terceira vez, ele lhe disse: “Simão, filho de João, você me ama?”Pedro ficou magoado por Jesus lhe ter perguntado pela terceira vez “Você me ama?” e lhe disse: “Senhor, tu sabes todas as coisas e sabes que te amo”. João 21:15-17

Já ouvi um pastor dizer em um púlpito a frase:

“Se querem se espelhar em um exemplo de vida se espelhem em mim!”

Pois eu digo a vocês, na ora que as ovelhas olharem para um líder e não verem Jesus, algo está errado, é engano de satanás, pois quando alguém vai a um púlpito e diz coisas como essas está levando o rebanho de Jesus a cometer um dos pecados que Deus mais abomina:

“A Idolatria!”

O pecado que levou tantas vezes Israel a ser abandonado por Deus e sofrer as conseqüências dessa rejeição, com invasões, destruições e guerras.

Vejo outros silenciarem o que o Espírito Santo os diz, quando são comprados por cargos.

Não esqueçam que vocês já foram comprados pelo sangue de Jesus, foi um preço muito alto para ser desprezado por tão pouco.

Esses que agem assim estão crucificando a Jesus novamente, pois o negam ao fazerem isso.

O livro de Judas nos deixa claro o que está acontecendo nas nossas igrejas nesses últimos dias.

Antes que me perguntem: Esse não é o que traiu Jesus?, ele mesmo diz quem é no primeiro versículo do livro que escreveu:

“1 Judas, servo de Jesus Cristo e irmão de Tiago,” .

Outra coisa  é que muitos nem sabem que existe esse livro na bíblia, pois ele quase não é pregado nas igrejas, provavelmente por trazer palavras duras, mas ele está lá no Novo Testamento, depois de 3 João e antes de Apocalipse, não deixem de ler é apenas uma página, mas nos revela muitas coisas sobre a igreja apostata.

Continuando, hoje estamos vendo igrejas que pregam a Salvação através de Jesus e ao mesmo tempo O negam por causa de suas próprias vaidades, vejamos essas passagens no livro de Judas:

Judas 1:4 – Porque se introduziram alguns, que já antes estavam escritos para este mesmo juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de Deus, e negam a Deus, único dominador e Senhor nosso, Jesus Cristo…. 1:8 E, contudo, também estes, semelhantemente adormecidos, contaminam a sua carne, e rejeitam a dominação, e vituperam as dignidades… 1:10 Estes, porém, dizem mal do que não sabem; e, naquilo que naturalmente conhecem, como animais irracionais se corrompem… 1:12 Estes são manchas em vossas festas de amor, banqueteando-se convosco, e apascentando-se a si mesmos sem temor; são nuvens sem água, levadas pelos ventos de uma para outra parte; são como árvores murchas, infrutíferas, duas vezes mortas, desarraigadas; 1:13 Ondas impetuosas do mar, que escumam as suas mesmas abominações; estrelas errantes, para os quais está eternamente reservada a negrura das trevas1:16-19 Estes são murmuradores, queixosos da sua sorte, andando segundo as suas concupiscências, e cuja boca diz coisas mui arrogantes, admirando as pessoas por causa do interesse. Mas vós, amados, lembrai-vos das palavras que vos foram preditas pelos apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo; Os quais vos diziam que nos últimos tempos haveria escarnecedores que andariam segundo as suas ímpias concupiscências. Estes são os que causam divisões, sensuais, que não têm o Espírito.

Esse texto de Judas nos deixa claro, como a igreja apostata vai agir nos últimos dias, negando a própria graça.

Nos deixa claro ainda o que Jesus quer dizer na passagem abaixo quando diz que a muitos Ele dirá que não os conhecem e que apartai-vos dEle:

“Semelhantemente, toda árvore boa dá frutos bons, mas a árvore ruim dá frutos ruins. A árvore boa não pode dar frutos ruins, nem a árvore ruim pode dar frutos bons. Toda árvore que não produz bons frutos é cortada e lançada ao fogo. Assim, pelos seus frutos vocês os reconhecerão! “Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: ‘Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? Em teu nome não expulsamos demônios e não realizamos muitos milagres? ’ Então eu lhes direi claramente: ‘Nunca os conheci. Afastem-se de mim vocês, que praticam o mal! ’ ” Mateus 7:17-23

Esta passagem nos da o caminho para conhecer esses falsos pastores e mestres:

“Olhem os seus frutos, mas não os frutos deles para si mesmo e sim os frutos para o próximo e para a Igreja de Cristo”

Volto agora para o título desta postagem e pergunto a vocês o que está acontecendo com a igreja que era pra ser única, onde a única doutrina a ser pregada era a Cristã?

Onde deve existir um único Senhor e um único que deve receber toda honra e glória?

Ela se perdeu em meio a tantas doutrinas de homens! No meio de tantas vaidades! No meio de tantos buscando o próprio interesse ao invés de buscar os interesses do Reino de Deus.

Digo a vocês meus irmãos que essa igreja que será reunida novamente nos últimos dias, que tenho certeza que já estamos vivendo, terá os olhos voltados para o único Mestre e Senhor Jesus Cristo.

Muitas das denominações de hoje não se ajuntarão a verdadeira igreja e farão o que os judeus fizeram a Jesus aos que Deus enviar para mostrar essas verdades.

Eles serão expulsos das igrejas e sofreram toda sorte de aflições e humilhações se quiserem cumprir os propósitos que Deus os predestinou.

Digo a vocês meus irmãos, que se um dia alguém olhar para vocês e não verem Jesus, revejam as suas vidas, pois em algum lugar vocês estão errando.

O homem por sua natureza é idolatra, gosta de bajular, exaltar aos outros, principalmente quando existem interesses em jogo.

Mas lembrem-se que essa é a natureza da carne e nós que temos o Espírito Santo em nós não podemos ter essa natureza.

Em Gálatas 5 vemos quais são os frutos da carne e os do Espírito:

Frutos da Carne:

19 Ora, as obras da carne são manifestas: imoralidade sexual, impureza e libertinagem; 20 idolatria e feitiçaria; ódio, discórdia, ciúmes, ira, egoísmo, dissensões, facções 21 e inveja; embriaguez, orgias e coisas semelhantes. Eu os advirto, como antes já os adverti: Aqueles que praticam essas coisas não herdarão o Reino de Deus. Gálatas 5:19-21

Frutos do Espírito

22 Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, 23 mansidão e domínio próprio. Contra essas coisas não há lei. 24 Os que pertencem a Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e os seus desejos. 25 Se vivemos pelo Espírito, andemos também pelo Espírito. 26 Não sejamos presunçosos, provocando uns aos outros e tendo inveja uns dos outros. Gálatas 5:22-26;

Peço a vocês que fiquem atentos em suas igrejas quando um ministro, pastor ou qualquer líder quiser se autopromover ou deixar que outros o exaltem mais do que o nosso Senhor Jesus, pois tenham certeza que se isto tiver acontecendo, vocês estão vivendo tudo isso que falei nesta mensagem.

Sei que são palavras duras e que desagradaram a muitos, mais tenho um único compromisso:

O de agradar a Deus e ao meu Senhor Jesus Cristo, e que se me condenarem pelo que estou escrevendo, que me condenem, pois prefiro ser condenado por homens do que sofrer a condenação eterna!

Que a graça e a paz do nosso Senhor Jesus estejam com Vocês!

Tags , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

6 respostas para Se existe um só Pastor e Mestre, porque tantas igrejas e doutrinas diferentes?Texto

  1. VALDEIR PEREIRA diz:

    EU PREGO CONTRA O SISTEMA RELIGIOSO MUITO ROUBO E ENGANO
    PRINCIPALMENTE DO DIZIMO:
    PARTE 1
    Verdades sobre o dízimo (Chega de ser enganado).
    Leia e confira na palavra de Deus.
    O Maior erro teológico, ensinado somente para beneficiar a quem lhe convém, e nunca como foi de fato.
    1º – (Às igrejas)- PESSOAS, QUE NESCESSITAM, JESUS NÃO MANDOU ABRIR TEMPLOS DE PEDRAS…
    Se precisar meu e-mail é: [email protected] (que Deus abençoe a todos).
    Lembrando o dízimo não é para a graça, e sim para a lei, sempre foi, e sempre será.
    Vamos lá: É só bíblia, tudo á luz da bíblia, ok?
    O livro de Malaquias foi escrito como repreensão ao povo de Israel, especialmente aos sacerdotes corruptos.
    O profeta Malaquias foi contemporâneo de Esdras e Neemias, no período após o exílio do povo judeu na Babilônia em que os muros de Jerusalém tinham sido já reconstruídos em 445 a.C, sendo necessário conduzir os israelitas da apatia religiosa aos princípios da lei mosaica.
    Propósito: O livro de Malaquias é um oráculo: “Sentença pronunciada pelo SENHOR contra Israel, por intermédio de Malaquias” (1:1). Esta foi a advertência de Deus através de Malaquias para mandar o povo voltar-se para Deus. Enquanto o último livro do Antigo Testamento se encerra, o pronunciamento da justiça de Deus e a promessa de Sua restauração através da vinda do Messias estão soando nos ouvidos dos israelitas. Quatrocentos anos de silêncio passam, mas esse período termina quando o próximo profeta de Deus, João Batista, transmite uma mensagem semelhante e proclama: “Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus” (Mateus 3.2).
    Malaquias capítulos I, II e III (Todos os versículos).
    Números 8.14 (ver capítulos 34, a distribuição de terras).
    Levíticos 27.32.
    Deuteronômio 14.22-29 e 26.12-15.
    Genesis 23.15 (já existia moeda na época).
    Genesis 14.18-20
    Deuteronômio 14:22-29
    Certamente darás os (dízimos de todo o fruto da tua semente), que cada ano se recolher do campo. E, perante o Senhor teu Deus, no lugar que escolher para ali fazer habitar o seu nome, comerás os dízimos do teu grão, do teu mosto e do teu azeite, e os primogênitos das tuas vacas e das tuas ovelhas; para que aprendas a temer ao Senhor teu Deus todos os dias. E quando o caminho te for tão comprido que os não possas levar, por estar longe de ti o lugar que escolher o Senhor teu Deus para ali pôr o seu nome, quando o Senhor teu Deus te tiver abençoado;
    Então vende-os, e ata o dinheiro na tua mão, e vai ao lugar que escolher o Senhor teu Deus; E aquele dinheiro darás por tudo o que deseja a tua alma, por vacas, e por ovelhas, e por vinho, e por bebida forte, e por tudo o que te pedir a tua alma; come-o ali perante o Senhor teu Deus, e alegra-te, tu e a tua casa; Porém não desampararás o levita que está dentro das tuas portas; pois não tem parte nem herança contigo. Ao fim de três anos tirarás todos os dízimos da tua colheita no mesmo ano, e os recolherás dentro das tuas portas; Então virá o levita (pois nem parte nem herança tem contigo), e o estrangeiro, e o órfão, e a viúva, que estão dentro das tuas portas, e comerão, e fartar-se-ão; para que o Senhor teu Deus te abençoe em toda a obra que as tuas mãos fizerem.
    Mateus 23.23 (nada de dinheiro) Jesus disse: JUSTIÇA, AMOR E MISÉRICÓRDIA;
    Mateus 26.14-15 (tinha dinheiro na época de Jesus);
    Hebreus 7.4 – Dízimo de despojos de guerra (onde fala de dinheiro?);
    Despojos
    1. Restos; conjunto de bens deteriorados por resultado de ação violenta.
    Responda-me estas perguntas:
    Se o dinheiro pode repreender o devorador ( que nunca foi demônio – Joel 2.22-27); Então onde fica a autoridade de Jesus?
    Neemias 13.12 O Dízimo era dado em alimentos.
    Então todo o Judá ou Judeu trouxe os dízimos do grão, do mosto e do azeite aos celeiros (onde estocavam os dízimos, alimentos de animais e vegetais) e distribuiu aos levitas.
    Levítico 27.32
    O Dízimo era dado em animais;
    No tocante a todas as dizimas do gado e do rebanho, tudo o que passar debaixo da vara (ou seja, o décimo animal), que era o dízimo, será santo ao SENHOR e entregue aos levitas.
    Deuteronômio 14.22
    O Dízimo trienal
    Certamente darás o dízimo de todo o fruto de tua semente, que cada ano se recolher no campo, (ou seja, frutos da terra) ou seja, dinheiro não nasce em árvore, o dízimo era anual e não mensal.
    Deuteronômio 26.11-13
    Deuteronômio 26.12
    Dízimo Trienal, ou seja, o dízimo do terceiro ano era para os órfãos, viúvas e levitas.
    Malaquias 3:11 O devorador segundo a bíblia nunca foi um demônio, e sim gafanhotos que Deus enviava como praga para castigar o povo e estes gafanhotos Deus os chamavam de o MEU GRANDE EXÉRCITO. Se fosse demônios, vocês acham que Deus os enviaria contra seu povo – Joel 2.22-27 – Eu repreenderei o devorador, ou seja, o gafanhoto, espantarei a praga do meio da vossa plantação (gafanhotos).
    Primeiro, me mostre na bíblia quando foi mudado o dízimo (de alimento do campo vegetal em Levítico 23. 9 e Neemias 13.12, passou a ser convertido em forma de dinheiro?
    Segundo, que o dízimo da colheita, que era anual ( Deuteronômio 14.22) e do terceiro ano e Deuteronômio 26.12passando a ser mensal?
    Terceiro, e se os pastores deixam de colher o dízimo que não era dinheiro, no 7º ano? Por que a lei de Moisés exige que todos deem o dízimo no 7º ano durante um ano (Levítico 25.1-5) me responda essas perguntas e me mostre na bíblia onde está escrito toda essa mudança!
    IMPORTANTÍSSIMO
    Vejam estes vídeos:
    https://youtu.be/OTKQLcdsnCA
    https://youtu.be/bAyYnJqObWM
    https://youtu.be/pusV-D7A-LE
    https://youtu.be/SV1rWORUcnA
    https://youtu.be/lj0I6k1A2MU
    PARTE 2
    A palavra dizimo encontrado pela Primeira vez na Bíblia em (Gn 14) significa colheita, ou ceifa é que foi uma atitude voluntária, quando depois de uma guerra, Abraão ofereceu a um sacerdote chamado Melquisedeque, Jacó, seu neto, também comprometeu-se voluntariamente a dar dízimos, esse dízimo nunca foi dinheiro e sim cereais, sendo este totalmente diferente do preceito religioso estabelecido na ordem levítica da lei de Moisés que pela sua lei o Dízimo significa a décima parte de algo, paga voluntariamente ou através de taxa ou imposto, para ajudar organizações religiosas judaicas segundo a Lei de Moises (Lv 27, 30, 32) (Malaquias 3:10) (Hb 7:5). Segundo ordem levitica dizimo era dado exclusivamente aos levitas (1 Cr 15:2) (Hb 7.5), (Hb 7.11)
    Seu início se deu porque dentre as 12 tribos de Israel, para a tribo de Levi, então as tribos mais prosperas deveriam repartir mantimentos com a tribo menos favorecida justamente porque elas tinham colheitas em abundancia e não necessitavam de tantos mantimentos, guardar tudo para elas mesmas significaria acumular tesouro o que é terminantemente proibido por Deus, a tribo de Levi por sua vez também ofertava a viúvas órfãos e necessitados (Dt 26:12) repartiam com os estrangeiros, já que Israel no passado também já foi estrangeira, significando assim amor ao próximo, lá, benção era chuva para a colheita, maldição era seca, o devorador eram os gafanhotos, tudo isso definitivamente nada tem a ver a associação do devorador com o demônio nem benção com prosperidade financeira, como ensina o sistema religioso de hoje, em toda a bíblia não existe uma única citação que ampare essa afirmação. Segundo a LEI apenas os LEVITAS poderiam recolher o dizimo.
    Os lideres religiosos templários de hoje que recolhem o dizimo, não são da tribo de Levi, não são Judeus e não fazem parte da Lei de Moisés. Este costume existiu de Abraão, até Levi (Hb 7:9), nessa passagem Paulo explica que, o dizimo termina em Levi e por ser Cristo sacerdote segundo a Ordem de Melquisedec, este ab-rogou (aboliu) o sacerdócio levítico com todas as suas as leis, dízimos e costumes, conforme narra Paulo na carta endereçada aos Hebreus (Hb 7, 1 – 28). Paulo arremata: “Com efeito, mudado que seja o sacerdócio, é necessário que se mude também a lei” (Hb 7.12). E ainda: “O mandamento precedente é, na verdade, ab-rogado pela sua fraqueza e inutilidade” (Hb 7, 18). OBS: SACERDOTE SÃO (LÍDERES RELIGIOSOS DA TRIBO DE LEVI) Quem entende que a o velho testamento e seus preceitos foram abolidos por Cristo segundo o Apostolo Paulo (2 Co 3:14), apoia o uso do dizimo, citando a passagem do Novo Testamento onde Jesus critica os Escribas e Fariseus que lembram apenas do dizimo e esqueciam os outros preceitos da lei (Mt 23:23), sabemos que segundo a lei de Moisés do antigo testamento, aqueles dois homens que Jesus criticou, eram obrigados a dar o dizimo, o cominho e hortelã porque eram Judeus e ainda estavam sobre o manto da lei de Moisés e não da graça, que tem seu inicio com a morte de Jesus “ Esta consumado” naquele momento Cristo adentrou a nova aliança da graça, que estamos hoje, e neste contexto Jesus está dando uma bronca no pessoal que só lembrava do dízimo e esqueciam se dos outros preceitos da Lei, definitivamente ele não está orientando aos Gentios (nós) a praticar o preceito do dízimo. Cristo e seus discípulos jamais orientaram, permanecêssemos no preceito do dizimo, das coisas do dizimo a única que Jesus preservou é a caridade ajudar o necessitado ou seja ofertar ao próximo. (Is 1:17), (Tg 1:27).
    Nos devemos sim atender a viúva o órfão e o necessitado, não é fazer o líder ter esta responsabilidade dando pra ele dar, é você, isso é pessoal é de cada um, é um hábito que devemos ter. Concluímos então que o dizimo não é desse tempo, não e para os Gentios o líder que recebe não é da tribo de Levi. Permanecer no preceito da lei é o mesmo que negar o sacrifício da cruz de Cristo, que segundo a própria lei, seria abolida, na vinda do Salvador Messias. Permanecer no preceito da Lei é o mesmo que negar a Cristo sendo estes o ANTI-CRISTO. O dizimo pode ser colhido e acordo com a palavra do homem, mas não de acordo com a escritura no Novo Testamento, não de acordo com Jesus.

    O que é dízimo? Imediatamente você poderá imaginar: Dez por cento dos meus rendimentos para os cofres da igreja. Será que o Senhor Deus ainda exige que os cristãos pratiquem alguma ordenança da lei do Antigo Testamento (na qual foi instituído o dízimo) mesmo depois que seu amado filho Jesus se entregou em sacrifício vivo na cruz do calvário? Vamos conferir o que a Bíblia ensina e conhecer a verdade que envolve o dízimo, que está sendo pregada de maneira distorcida, por muitos líderes religiosos.
    O dízimo foi instituído na lei de Moisés, a qual foi cumprida por Cristo conforme podemos ver em Mt. 11.13, Rm. 3.28, Gl 4.4-5 e nas referências bíblicas ao final deste texto. A Palavra de Deus não deixa dúvida quanto ao dízimo da lei de Moisés o qual era mandamento apenas ao povo de Israel, nunca para a Igreja de Jesus.
    Cristo fez uma Nova Aliança no seu sangue e revelou a graça e a salvação por meio da fé. (João 1.17). É profundamente lamentável o que está acontecendo, hoje o dízimo virou uma verdadeira exploração financeira em muitas denominações religiosas, chegando ao cúmulo de, alguns pregadores, dizerem que quem não dá o dízimo está roubando a Deus e por isso irá para o inferno.
    O dízimo, segundo a lei, não era dinheiro, mas sim, dez por cento dos produtos da terra, para suprir as necessidades dos levitas, estrangeiros, órfãos e viúvas na nação de Israel. Então alguém poderá apontar para Malaquias 3.10 para justificar que foi ordenado levar o dízimo para casa do tesouro. Malaquias estava se dirigindo a Israel para que estes levassem os dízimos ao templo de Jerusalém. Em Malaquias 1.1 diz “Sentença pronunciada pelo Senhor contra Israel”. Ele inclusive falou que os Israelitas não estavam cumprindo a lei de Moises (Ml 4.4). A ordem de levar os dízimos a casa do tesouro foi para Israel, após o exílio babilônico; isso nunca foi ordenado para a Igreja de Cristo. Em Deuteronômio 26.12-15, a lei mencionava que o quinhão dos dízimos eram partilhados entre as comunidades dos levitas, aos estrangeiros, aos órfãos e as viúvas. Hoje o ensino sobre o dízimo está sendo totalmente distorcido e os valores arrecadados são direcionado para o líder da igreja ou à cúpula de uma organização religiosa que faz o que bem entende com os recursos recebidos. Enfim, o dízimo nunca foi criado para assalariar dirigentes das igrejas ou para prover suas despesas pessoais, nem tão pouco destinado a realizar obras missionárias ou mesmo para construir templos.
    No Antigo Testamento, o rigor da ordenança do dízimo era a garantia do mantimento com abundância. Pagava-se o dízimo, para receber recompensa das coisas materiais, mas Cristo em sacrifício vivo pagou o mais alto preço, pagou o preço de sangue para que recebamos o perdão, a graça e a vida eterna.
    No Evangelho de Cristo não somos ensinados a pagar dízimo para garantir as necessidades cotidianas de coisas materiais (alimento, vestimenta, etc). Em Mateus 6.25-33 Jesus ensinou que devemos buscar o Reino de Deus e a sua justiça e todas as demais coisas nos serão acrescentadas. Para receber a graça e as bênçãos do Senhor não precisamos pagar mais nada, Jesus já pagou o preço. (Mateus 10.7-10). Em Atos 17.25 diz que “Ele, quem nos dá a vida, a respiração, e todas as coisas. Em Mateus 10.8 Jesus manda pregar o Evangelho e não cobrar por isso: “de graça recebestes, de graça daí”.

    OS DÍZIMOS ANTES DA LEI

    O DÍZIMO DE ABRAÃO – Gênesis 14.18-20 – Abraão deu o dízimo dos despojos da guerra ao rei Melquisedeque, sacerdote do Deus altíssimo, e foi por ele abençoado. (Ficou registrado na Bíblia que Abraão deu o dízimo apenas uma única vez sobre os despojos de guerra. Abraão não pagava dízimo de suas rendas).
    Abraão deu algo de forma voluntária, algo que partiu do seu coração, diferente dos nossos dias quando os membros de muitas denominações são coagidos a dizimar sob pena de estarem em pecado se não o fizerem.
    O DÍZIMO DE JACÓ – Gênesis 28.20-22 – Jacó fez um voto ao Senhor, prometendo-lhe dar o dízimo de tudo quanto Deus lhe concedesse, se, em sua jornada, fosse por Ele protegido e abençoado.
    Em ambos os acontecimentos, não há registro na palavra do Senhor que tenha havido ordenança, mandamento ou determinação para que se dessem os dízimos. Especificamente nesses casos, deu-se por uma iniciativa voluntária, espontânea, ou por voto, como forma de reconhecimento, agradecimento, honra e glória ao Senhor Deus, pelas bênçãos recebidas e pelas vitórias conquistadas. Assim sendo, hoje não se pode tomar como exemplo os dízimos de Abraão e Jacó, como fundamento para implantá-lo como regra geral de doutrina nas igrejas, com o propósito de receber bênçãos materiais e salvação.

    PARTE 3

    OS DÍZIMOS PELA LEI

    Números 18.21;24 e 26 – O pagamento do dízimo teve ordenança, fazendo parte do contexto da lei cerimonial do Antigo Testamento e a sua principal finalidade era suprir as necessidades dos Levitas que não tinham parte nem herança na terra prometida.
    Deuteronômio 14.22-29 – Então virá o levita (pois nem parte nem herança tem contigo), e o estrangeiro, e o órfão, e a viúva que estão dentro das tuas portas, e comerão, e fartar-se-ão; para que o Senhor teu Deus te abençoe em toda a obra das tuas mãos que fizeres.
    Ainda que os dirigentes das igrejas revertessem toda a renda dos dízimos e ofertas em obras sociais, não estariam em conformidade com a palavra do Senhor, pois além do dízimo ter sido abolido (Hebreus 7.5-12), a caridade ou amor ao próximo, é novo mandamento de Jesus (Jo 13.34) e isso é intransferível, é algo pessoal (Mt 6.1-4).
    As tribos de Israel dizimavam aos Levitas o necessário para a manutenção cotidiana, porque não possuíam propriedades na terra. Hoje, a situação está inversa, os trabalhadores, a maioria deles assalariados de baixa renda, ofertam o dízimo para líderes religiosos que vivem sem trabalhar, muitos levando uma vida regada, em abundância de bens e luxo, com salários incompatíveis com a realidade dos fiéis sob pretexto de ministrar a obra de Deus. O Apóstolo Paulo ensinou: “quem não quiser trabalhar que não coma (2 Ts 3.10)”, disse Paulo “nunca comemos nosso pão as custas dos irmãos, mas trabalhamos com nossas próprias mãos (2Ts 3.8)” disse ainda “sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo (1Cor 1.11)”.
    O DÍZIMO NO EVANGELHO DE CRISTO – Marcos 16.15-16, disse Jesus: Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda a criatura.
    O Senhor Jesus mandou pregar o Evangelho, para que crendo recebamos gratuitamente a salvação (1 Coríntios 15.1-2). Foi para isso que Ele deu a sua vida e levou sobre si os nossos pecados. E onde está a ordenança para o dízimo, senão no Antigo Testamento? Pregar a velha aliança no cristianismo é ir contra o Evangelho; é sobrecarregar os fiéis com pesados fardos, escravizando os que buscam a liberdade. Jesus declarou que esses falsos líderes são verdadeiros condutores cegos (Mateus 15.14).
    No Evangelho de Cristo somos ensinados a fazer caridade, a orar, a jejuar (Mateus 6.1-18), e uma infinidade de outros ensinamentos, porém nas duas únicas vezes que Jesus referiu-se aos dízimos, foi com censura; vejamos:
    Primeira vez – Mateus 23.23 – “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o Juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém fazer estas coisas e não omitir aquelas”.
    Alguns defendem que Jesus ordenou que se dizimasse quando disse: “Devíeis fazer estas coisas”.
    Vamos buscar o entendimento na Palavra de Deus: Jesus era um judeu, nascido sob a lei (Gálatas 4.4). Portanto, como homem, viveu Jesus na tutela da lei de Moisés, reconheceu-a, e falou dessa forma para aqueles que estavam debaixo da lei; vejamos: Mateus 5.17-18 – Disse Jesus: Não cuideis que vim revogar a lei e os profetas, mas vim para cumpri-la, e, nem um jota ou til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido. (A lei se cumpriu toda em Cristo) Para os cristãos a Palavra de Deus diz: “o fim da lei é Cristo, para justiça de todo aquele que crê Rm 10.14)”. Em Gálatas 2.19 está escrito “eu, mediante a própria lei, morri para a lei, a fim de viver para Deus. Estou crucificado com Cristo”.
    Então, verdadeiramente Jesus cumpriu toda a lei. Foi circuncidado aos oito dias, foi apresentado na sinagoga (Lucas 2.21-24), assumiu o seu sacerdócio aos trinta anos (Lucas 3.23, Números 4.43;47), curou o leproso e depois o mandou apresentar ao Sacerdote a oferta que Moisés ordenou (Mateus 8.4, Levíticos 14.1…), e cumpriu outras formalidades cerimoniais da lei.
    Porém, quando Cristo rendeu o seu espírito a Deus (Mateus 27.50-51), o véu do templo rasgou-se de alto a baixo, então, a partir daí, passamos a viver, pela graça do Senhor Jesus, encerrando-se ali, todas as ordenanças da lei de Moisés, sendo cumprido em Cristo o Antigo Testamento. A partir daí temos uma Nova Aliança (Novo Testamento), o Evangelho da salvação do Senhor Jesus Cristo por meio da fé (Ef 2.8, Rm 1:17).
    O que precisamos entender de vez por todas, que Cristo não veio a ensinar os cristãos a viverem bem a velha aliança, “Ele” disse: “Um novo mandamento vos dou” João 13.34. “Se a justiça provem da lei, segue-se que Cristo morreu em vão” (Gálatas 2.21). “Libertados da lei servimos a Deus em novidade de espírito”. (Rm 7.6)
    O texto bíblico de Mateus 23.23 “Devíeis fazer estas coisas sem omitir aquelas” (Versão revista e atualizada) “devíeis” Pretérito imperfeito – Indica um acontecimento que se prolongou ao longo do tempo com inicio e fim no passado.
    Na segunda vez que o Senhor Jesus referiu-se aos dízimos, foi na Parábola do fariseu e do publicano (Lucas 18.9-14) e outra vez censurou os dizimistas. Tomou como exemplo um homem religioso, que jejuava duas vezes por semana e dizia ser dizimista fiel, porém, exaltava a si mesmo e humilhava um pecador que suplicava a misericórdia do Senhor. Hoje não é diferente, muitos ainda exaltam-se dizendo: “Eu sou dizimista fiel”, mas nesta narrativa alegórica, o Senhor Jesus Cristo deixou bem claro, que no Evangelho, não há galardão para os dizimistas fieis, ao contrário, Jesus sempre os censurou.

    4 PARTE

    A ABOLIÇÃO DOS DÍZIMOS – Hebreus 7:5 “E os que dentre os filhos de Levi receberam o sacerdócio tem ordem, segundo a lei, de tomar os dízimos do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham saído dos lombos de Abraão”.
    Neste versículo, a palavra afirma que os sacerdotes Levitas recebiam os dízimos por ordem da lei de Moisés.
    Hebreus 7.11 – “De sorte que, se a perfeição fosse pelo sacerdócio Levítico, (porque sob ele o povo recebeu a lei), que necessidade se havia logo de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ordem de Melquisedeque (referindo-se a Jesus Cristo) e não fosse chamado segundo a ordem de Arão”? (referindo-se a Moisés, o qual introduziu a lei ao povo).
    Hebreus 7.12 – “Porque mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança na lei”.
    Meditando no texto acima, especificamente nestes versículos, onde a palavra do Senhor diz: “Que os sacerdotes Levíticos recebiam os dízimos segundo a lei” (Hebreus 7.5), “Porque através deles (sacerdotes Levíticos) o povo recebeu a lei” (Hebreus 7.11) e mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também, mudança na lei (Hebreus 7.12), a Palavra não deixa qualquer sombra de dúvida, que não só o dízimo, mas toda a lei de Moisés foi por Cristo abolida. Mudou o Sacerdócio, necessariamente, mudou também a lei. Jesus tornou-se o sumo sacerdote. (Hb 7:24-28)
    AQUI TOMAM DÍZIMOS HOMENS QUE MORREM – Alguns pregadores que tomam o dízimo do povo fundamentam-se no versículo abaixo: Hebreus 7.8 – E aqui certamente tomam dízimos homens que morrem; ali, porém, aquele de quem se testifica que vive.
    Esta passagem das Sagradas Escrituras faz alusão dos dízimos tomados pelos filhos de Levi (sacerdotes da velha aliança) conforme versículo 5 e pagos pelos judeus. Esta passagem bíblica não quer ensinar a igreja de Jesus a pagar dízimos, pelo contrário; no versículo 11 do mesmo capítulo diz que o sacerdócio levítico teve fim e no versículo12 diz que houve mudança na lei e no sacerdócio, por isso, nós, cristãos, não estamos obrigados e seguir a lei mosaica. Temos uma Nova Aliança no sangue de Cristo e somos salvos pela graça, independentemente das obras da lei (Ef 2:8-9)
    CONSIDERAÇÕES FINAIS – No Evangelho de Cristo não há ordenança para se tomar o dízimo, ou para se cumprir qualquer outro ritual da lei. Jesus mandou pregar o seu Evangelho de graça (Mt 10:8), ordenou amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a si mesmo, isto é, auxiliar os necessitados, e não estipulou percentual ou limite para isso. Em 1 Co 9:14 diz: “aos que pregam o evangelho que vivam do evangelho”. Aqui não ensina a viver de dízimos, mas viver como Jesus e todos os apóstolos e discípulos viveram.
    Muitos saem em defesa do dízimo dizendo: “Mas o Dízimo é bíblico” (Número 18.21-26). Certamente, como também é bíblico: a circuncisão (Gênesis 17:23-27), o sacrifício de animais em holocausto (Levíticos 1 até 6.8 a 13), a santificação do sábado (Levíticos 23:3), o apedrejar adúlteros (Levíticos 20:10 e Deuteronômio 22:22), etc. O dízimo é bíblico sim, mas não é cristão.
    Então porque hoje, aqueles que defendem o dízimo, não cumprem a lei na íntegra, ao invés de optarem exclusivamente pelo dízimo? Querem o dízimo porque é a garantia de renda líquida e certa todos os meses nos cofres das “suas” igrejas. O que muitos discípulos de Cristo ainda não se conscientizaram, é a grande divisão existente no tempo separando a Velha da Nova Aliança, do Senhor Jesus; o qual testifica a doutrina para salvação (1Coríntios 15.1-2). Porém, hoje qualquer esforço de um cristão para voltar a lei de Moisés que Cristo cumpriu na cruz, é anular o sacrifício do cordeiro de Deus e reconstruir o muro por Ele derrubado (Efésios 2.13-15), é ultrajar o sangue da aliança com o qual fomos santificados. (Hb 10:29). Portanto irmãos, o preço pela nossa salvação, o Senhor Jesus Cristo já pagou dando o seu sangue inocente na Cruz. O Senhor ainda alerta: “Fostes comprados por bom preço, não vos façais servos de homens” (1Coríntios 7:23). O dízimo hoje é remanescente por razões óbvias. Primeiramente, pela conveniência dos que recebem, pela ausência de entendimento da palavra de Deus, não diferenciando a lei de Moisés feita de ordenanças simbólicas e rituais, com a Graça do Senhor Jesus Cristo, o qual veio justamente para nos libertar do jugo da Lei (Rm 10:4). Os que se beneficiam pelos dízimos incorrem no erro consciente dessa prática e assumem o risco dolosamente pela desobediência à Palavra do Senhor e por falta de temor a Deus.
    Porém, seja por uma ou por outra razão, o homem querendo ou não, aceitando ou não, o dízimo, como toda a lei cerimonial do antigo testamento, segundo as Sagradas Escrituras, Cristo aboliu, com o seu próprio sangue na cruz do Calvário conforme ensina: (Lucas 16:16, Romanos 10:3-4, Efésios 2:14-15, Jo 1:17, At 15:5,10,11, Rm 3:19-21, Rm 3:27-28, Rm 3:31, Rm 4:13-16, Rm 5:13, Rm 5:20, Rm 6:14-15, Rm 7:2-6, Rm 8:24, Gl 2:19-21, Gl 3:2, 10-13, Gl 3:17-24, Gl 4:4-5, Gl 4:21, Gl 5:3-4, Gl:18, Ef 2:15, Fp 3:9, 1 Tm 1:7-9, Tiago 2:10-12), At 15:5-29.
    O texto acima buscou trazer um esclarecimento das Sagradas Escrituras, que deveriam ser, no cristianismo, a autoridade máxima em questões de fé e nenhuma denominação ou líder religioso deveria se colocar acima de Deus e da sua Palavra

    PARTE 5
    Nos devemos sim atender a viúva o órfão e o necessitado, não é fazer o líder ter esta responsabilidade dando pra ele dar, é você, isso é pessoal é de cada um, é um hábito que devemos ter. Concluímos então que o dizimo não é desse tempo, não e para os Gentios o líder que recebe não é da tribo de Levi. Permanecer no preceito da lei é o mesmo que negar o sacrifício da cruz de Cristo, que segundo a própria lei, seria abolida, na vinda do Salvador Messias. Permanecer no preceito da Lei é o mesmo que negar a Cristo sendo estes o ANTI-CRISTO. O dizimo pode ser colhido e acordo com a palavra do homem, mas não de acordo com a escritura no Novo Testamento, não de acordo com Jesus.
    O que é dízimo? Imediatamente você poderá imaginar: Dez por cento dos meus rendimentos para os cofres da igreja. Será que o Senhor Deus ainda exige que os cristãos pratiquem alguma ordenança da lei do Antigo Testamento (na qual foi instituído o dízimo) mesmo depois que seu amado filho Jesus se entregou em sacrifício vivo na cruz do calvário? Vamos conferir o que a Bíblia ensina e conhecer a verdade que envolve o dízimo, que está sendo pregada de maneira distorcida, por muitos líderes religiosos.
    O dízimo foi instituído na lei de Moisés, a qual foi cumprida por Cristo conforme podemos ver em Mt. 11.13, Rm. 3.28, Gl 4.4-5 e nas referências bíblicas ao final deste texto. A Palavra de Deus não deixa dúvida quanto ao dízimo da lei de Moisés o qual era mandamento apenas ao povo de Israel, nunca para a Igreja de Jesus.
    Cristo fez uma Nova Aliança no seu sangue e revelou a graça e a salvação por meio da fé. (João 1.17). É profundamente lamentável o que está acontecendo, hoje o dízimo virou uma verdadeira exploração financeira em muitas denominações religiosas, chegando ao cúmulo de, alguns pregadores, dizerem que quem não dá o dízimo está roubando a Deus e por isso irá para o inferno.
    O dízimo, segundo a lei, não era dinheiro, mas sim, dez por cento dos produtos da terra, para suprir as necessidades dos levitas, estrangeiros, órfãos e viúvas na nação de Israel. Então alguém poderá apontar para Malaquias 3.10 para justificar que foi ordenado levar o dízimo para casa do tesouro. Malaquias estava se dirigindo a Israel para que estes levassem os dízimos ao templo de Jerusalém. Em Malaquias 1.1 diz “Sentença pronunciada pelo Senhor contra Israel”. Ele inclusive falou que os Israelitas não estavam cumprindo a lei de Moises (Ml 4.4). A ordem de levar os dízimos a casa do tesouro foi para Israel, após o exílio babilônico; isso nunca foi ordenado para a Igreja de Cristo. Em Deuteronômio 26.12-15, a lei mencionava que o quinhão dos dízimos eram partilhados entre as comunidades dos levitas, aos estrangeiros, aos órfãos e as viúvas. Hoje o ensino sobre o dízimo está sendo totalmente distorcido e os valores arrecadados são direcionado para o líder da igreja ou à cúpula de uma organização religiosa que faz o que bem entende com os recursos recebidos. Enfim, o dízimo nunca foi criado para assalariar dirigentes das igrejas ou para prover suas despesas pessoais, nem tão pouco destinado a realizar obras missionárias ou mesmo para construir templos.
    No Antigo Testamento, o rigor da ordenança do dízimo era a garantia do mantimento com abundância. Pagava-se o dízimo, para receber recompensa das coisas materiais, mas Cristo em sacrifício vivo pagou o mais alto preço, pagou o preço de sangue para que recebamos o perdão, a graça e a vida eterna.
    No Evangelho de Cristo não somos ensinados a pagar dízimo para garantir as necessidades cotidianas de coisas materiais (alimento, vestimenta, etc). Em Mateus 6.25-33 Jesus ensinou que devemos buscar o Reino de Deus e a sua justiça e todas as demais coisas nos serão acrescentadas. Para receber a graça e as bênçãos do Senhor não precisamos pagar mais nada, Jesus já pagou o preço. (Mateus 10.7-10). Em Atos 17.25 diz que “Ele, quem nos dá a vida, a respiração, e todas as coisas. Em Mateus 10.8 Jesus manda pregar o Evangelho e não cobrar por isso: “de graça recebestes, de graça daí”.

    OS DÍZIMOS ANTES DA LEI

    O DÍZIMO DE ABRAÃO – Gênesis 14.18-20 – Abraão deu o dízimo dos despojos da guerra ao rei Melquisedeque, sacerdote do Deus altíssimo, e foi por ele abençoado. (Ficou registrado na Bíblia que Abraão deu o dízimo apenas uma única vez sobre os despojos de guerra. Abraão não pagava dízimo de suas rendas).
    Abraão deu algo de forma voluntária, algo que partiu do seu coração, diferente dos nossos dias quando os membros de muitas denominações são coagidos a dizimar sob pena de estarem em pecado se não o fizerem.
    O DÍZIMO DE JACÓ – Gênesis 28.20-22 – Jacó fez um voto ao Senhor, prometendo-lhe dar o dízimo de tudo quanto Deus lhe concedesse, se, em sua jornada, fosse por Ele protegido e abençoado.
    Em ambos os acontecimentos, não há registro na palavra do Senhor que tenha havido ordenança, mandamento ou determinação para que se dessem os dízimos. Especificamente nesses casos, deu-se por uma iniciativa voluntária, espontânea, ou por voto, como forma de reconhecimento, agradecimento, honra e glória ao Senhor Deus, pelas bênçãos recebidas e pelas vitórias conquistadas. Assim sendo, hoje não se pode tomar como exemplo os dízimos de Abraão e Jacó, como fundamento para implantá-lo como regra geral de doutrina nas igrejas, com o propósito de receber bênçãos materiais e salvação.

    PARTE 6

    OS DÍZIMOS PELA LEI

    Números 18.21;24 e 26 – O pagamento do dízimo teve ordenança, fazendo parte do contexto da lei cerimonial do Antigo Testamento e a sua principal finalidade era suprir as necessidades dos Levitas que não tinham parte nem herança na terra prometida.
    Deuteronômio 14.22-29 – Então virá o levita (pois nem parte nem herança tem contigo), e o estrangeiro, e o órfão, e a viúva que estão dentro das tuas portas, e comerão, e fartar-se-ão; para que o Senhor teu Deus te abençoe em toda a obra das tuas mãos que fizeres.
    Ainda que os dirigentes das igrejas revertessem toda a renda dos dízimos e ofertas em obras sociais, não estariam em conformidade com a palavra do Senhor, pois além do dízimo ter sido abolido (Hebreus 7.5-12), a caridade ou amor ao próximo, é novo mandamento de Jesus (Jo 13.34) e isso é intransferível, é algo pessoal (Mt 6.1-4).
    As tribos de Israel dizimavam aos Levitas o necessário para a manutenção cotidiana, porque não possuíam propriedades na terra. Hoje, a situação está inversa, os trabalhadores, a maioria deles assalariados de baixa renda, ofertam o dízimo para líderes religiosos que vivem sem trabalhar, muitos levando uma vida regada, em abundância de bens e luxo, com salários incompatíveis com a realidade dos fiéis sob pretexto de ministrar a obra de Deus. O Apóstolo Paulo ensinou: “quem não quiser trabalhar que não coma (2 Ts 3.10)”, disse Paulo “nunca comemos nosso pão as custas dos irmãos, mas trabalhamos com nossas próprias mãos (2Ts 3.8)” disse ainda “sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo (1Cor 1.11)”.
    O DÍZIMO NO EVANGELHO DE CRISTO – Marcos 16.15-16, disse Jesus: Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda a criatura.
    O Senhor Jesus mandou pregar o Evangelho, para que crendo recebamos gratuitamente a salvação (1 Coríntios 15.1-2). Foi para isso que Ele deu a sua vida e levou sobre si os nossos pecados. E onde está a ordenança para o dízimo, senão no Antigo Testamento? Pregar a velha aliança no cristianismo é ir contra o Evangelho; é sobrecarregar os fiéis com pesados fardos, escravizando os que buscam a liberdade. Jesus declarou que esses falsos líderes são verdadeiros condutores cegos (Mateus 15.14).
    No Evangelho de Cristo somos ensinados a fazer caridade, a orar, a jejuar (Mateus 6.1-18), e uma infinidade de outros ensinamentos, porém nas duas únicas vezes que Jesus referiu-se aos dízimos, foi com censura; vejamos:
    Primeira vez – Mateus 23.23 – “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o Juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém fazer estas coisas e não omitir aquelas”.
    Alguns defendem que Jesus ordenou que se dizimasse quando disse: “Devíeis fazer estas coisas”.
    Vamos buscar o entendimento na Palavra de Deus: Jesus era um judeu, nascido sob a lei (Gálatas 4.4). Portanto, como homem, viveu Jesus na tutela da lei de Moisés, reconheceu-a, e falou dessa forma para aqueles que estavam debaixo da lei; vejamos: Mateus 5.17-18 – Disse Jesus: Não cuideis que vim revogar a lei e os profetas, mas vim para cumpri-la, e, nem um jota ou til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido. (A lei se cumpriu toda em Cristo) Para os cristãos a Palavra de Deus diz: “o fim da lei é Cristo, para justiça de todo aquele que crê Rm 10.14)”. Em Gálatas 2.19 está escrito “eu, mediante a própria lei, morri para a lei, a fim de viver para Deus. Estou crucificado com Cristo”.
    Então, verdadeiramente Jesus cumpriu toda a lei. Foi circuncidado aos oito dias, foi apresentado na sinagoga (Lucas 2.21-24), assumiu o seu sacerdócio aos trinta anos (Lucas 3.23, Números 4.43;47), curou o leproso e depois o mandou apresentar ao Sacerdote a oferta que Moisés ordenou (Mateus 8.4, Levíticos 14.1…), e cumpriu outras formalidades cerimoniais da lei.
    Porém, quando Cristo rendeu o seu espírito a Deus (Mateus 27.50-51), o véu do templo rasgou-se de alto a baixo, então, a partir daí, passamos a viver, pela graça do Senhor Jesus, encerrando-se ali, todas as ordenanças da lei de Moisés, sendo cumprido em Cristo o Antigo Testamento. A partir daí temos uma Nova Aliança (Novo Testamento), o Evangelho da salvação do Senhor Jesus Cristo por meio da fé (Ef 2.8, Rm 1:17).
    O que precisamos entender de vez por todas, que Cristo não veio a ensinar os cristãos a viverem bem a velha aliança, “Ele” disse: “Um novo mandamento vos dou” João 13.34. “Se a justiça provem da lei, segue-se que Cristo morreu em vão” (Gálatas 2.21). “Libertados da lei servimos a Deus em novidade de espírito”. (Rm 7.6)
    O texto bíblico de Mateus 23.23 “Devíeis fazer estas coisas sem omitir aquelas” (Versão revista e atualizada) “devíeis” Pretérito imperfeito – Indica um acontecimento que se prolongou ao longo do tempo com inicio e fim no passado.
    Na segunda vez que o Senhor Jesus referiu-se aos dízimos, foi na Parábola do fariseu e do publicano (Lucas 18.9-14) e outra vez censurou os dizimistas. Tomou como exemplo um homem religioso, que jejuava duas vezes por semana e dizia ser dizimista fiel, porém, exaltava a si mesmo e humilhava um pecador que suplicava a misericórdia do Senhor. Hoje não é diferente, muitos ainda exaltam-se dizendo: “Eu sou dizimista fiel”, mas nesta narrativa alegórica, o Senhor Jesus Cristo deixou bem claro, que no Evangelho, não há galardão para os dizimistas fieis, ao contrário, Jesus sempre os censurou.

    7 PARTE

    A ABOLIÇÃO DOS DÍZIMOS – Hebreus 7:5 “E os que dentre os filhos de Levi receberam o sacerdócio tem ordem, segundo a lei, de tomar os dízimos do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham saído dos lombos de Abraão”.
    Neste versículo, a palavra afirma que os sacerdotes Levitas recebiam os dízimos por ordem da lei de Moisés.
    Hebreus 7.11 – “De sorte que, se a perfeição fosse pelo sacerdócio Levítico, (porque sob ele o povo recebeu a lei), que necessidade se havia logo de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ordem de Melquisedeque (referindo-se a Jesus Cristo) e não fosse chamado segundo a ordem de Arão”? (referindo-se a Moisés, o qual introduziu a lei ao povo).
    Hebreus 7.12 – “Porque mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança na lei”.
    Meditando no texto acima, especificamente nestes versículos, onde a palavra do Senhor diz: “Que os sacerdotes Levíticos recebiam os dízimos segundo a lei” (Hebreus 7.5), “Porque através deles (sacerdotes Levíticos) o povo recebeu a lei” (Hebreus 7.11) e mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também, mudança na lei (Hebreus 7.12), a Palavra não deixa qualquer sombra de dúvida, que não só o dízimo, mas toda a lei de Moisés foi por Cristo abolida. Mudou o Sacerdócio, necessariamente, mudou também a lei. Jesus tornou-se o sumo sacerdote. (Hb 7:24-28)
    AQUI TOMAM DÍZIMOS HOMENS QUE MORREM – Alguns pregadores que tomam o dízimo do povo fundamentam-se no versículo abaixo: Hebreus 7.8 – E aqui certamente tomam dízimos homens que morrem; ali, porém, aquele de quem se testifica que vive.
    Esta passagem das Sagradas Escrituras faz alusão dos dízimos tomados pelos filhos de Levi (sacerdotes da velha aliança) conforme versículo 5 e pagos pelos judeus. Esta passagem bíblica não quer ensinar a igreja de Jesus a pagar dízimos, pelo contrário; no versículo 11 do mesmo capítulo diz que o sacerdócio levítico teve fim e no versículo12 diz que houve mudança na lei e no sacerdócio, por isso, nós, cristãos, não estamos obrigados e seguir a lei mosaica. Temos uma Nova Aliança no sangue de Cristo e somos salvos pela graça, independentemente das obras da lei (Ef 2:8-9)
    CONSIDERAÇÕES FINAIS – No Evangelho de Cristo não há ordenança para se tomar o dízimo, ou para se cumprir qualquer outro ritual da lei. Jesus mandou pregar o seu Evangelho de graça (Mt 10:8), ordenou amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a si mesmo, isto é, auxiliar os necessitados, e não estipulou percentual ou limite para isso. Em 1 Co 9:14 diz: “aos que pregam o evangelho que vivam do evangelho”. Aqui não ensina a viver de dízimos, mas viver como Jesus e todos os apóstolos e discípulos viveram.
    Muitos saem em defesa do dízimo dizendo: “Mas o Dízimo é bíblico” (Número 18.21-26). Certamente, como também é bíblico: a circuncisão (Gênesis 17:23-27), o sacrifício de animais em holocausto (Levíticos 1 até 6.8 a 13), a santificação do sábado (Levíticos 23:3), o apedrejar adúlteros (Levíticos 20:10 e Deuteronômio 22:22), etc. O dízimo é bíblico sim, mas não é cristão.
    Então porque hoje, aqueles que defendem o dízimo, não cumprem a lei na íntegra, ao invés de optarem exclusivamente pelo dízimo? Querem o dízimo porque é a garantia de renda líquida e certa todos os meses nos cofres das “suas” igrejas. O que muitos discípulos de Cristo ainda não se conscientizaram, é a grande divisão existente no tempo separando a Velha da Nova Aliança, do Senhor Jesus; o qual testifica a doutrina para salvação (1Coríntios 15.1-2). Porém, hoje qualquer esforço de um cristão para voltar a lei de Moisés que Cristo cumpriu na cruz, é anular o sacrifício do cordeiro de Deus e reconstruir o muro por Ele derrubado (Efésios 2.13-15), é ultrajar o sangue da aliança com o qual fomos santificados. (Hb 10:29). Portanto irmãos, o preço pela nossa salvação, o Senhor Jesus Cristo já pagou dando o seu sangue inocente na Cruz. O Senhor ainda alerta: “Fostes comprados por bom preço, não vos façais servos de homens” (1Coríntios 7:23). O dízimo hoje é remanescente por razões óbvias. Primeiramente, pela conveniência dos que recebem, pela ausência de entendimento da palavra de Deus, não diferenciando a lei de Moisés feita de ordenanças simbólicas e rituais, com a Graça do Senhor Jesus Cristo, o qual veio justamente para nos libertar do jugo da Lei (Rm 10:4). Os que se beneficiam pelos dízimos incorrem no erro consciente dessa prática e assumem o risco dolosamente pela desobediência à Palavra do Senhor e por falta de temor a Deus.
    Porém, seja por uma ou por outra razão, o homem querendo ou não, aceitando ou não, o dízimo, como toda a lei cerimonial do antigo testamento, segundo as Sagradas Escrituras, Cristo aboliu, com o seu próprio sangue na cruz do Calvário conforme ensina: (Lucas 16:16, Romanos 10:3-4, Efésios 2:14-15, Jo 1:17, At 15:5,10,11, Rm 3:19-21, Rm 3:27-28, Rm 3:31, Rm 4:13-16, Rm 5:13, Rm 5:20, Rm 6:14-15, Rm 7:2-6, Rm 8:24, Gl 2:19-21, Gl 3:2, 10-13, Gl 3:17-24, Gl 4:4-5, Gl 4:21, Gl 5:3-4, Gl:18, Ef 2:15, Fp 3:9, 1 Tm 1:7-9, Tiago 2:10-12), At 15:5-29.

  2. VALDEIR PEREIRA diz:

    ONDE DIZ NA BIBLIA QUE O LOBO É SATANAS
    POR FAVOR CAPITULO E VERSICULO
    Negativo, em João 10 prova que todos que vierem antes de Jesus são ladroes e salteadores, não existe obedecer a homens atos 5:29 porem respondendo Pedro e os apóstolos , disseram: mais importa obedecer a DEUS QUE A HOMENS, OUTRO DETALHE MUITO VAGABUNDOS E LADRRÕES QUE USA O TITULO DE PASTOR QUE São FALSOS ESQUECE QUANDO FALA ELE MESMO, ELE QUEM JESUS, ESTA PALAVRA É APASCENTADOR E NÃO LIDER DE IGREJA IGREJA SÃO PESSOAS NÃO ESTES ANTROS DE ENGANO QUE ROUBAM O POVO COM A MENTIRA DO DIZIMO, NÃO EXISTE MAIS PASTOR JESUS É O SUMO PASTOR ACABAOU, E PRA FECHAR COM CHAVE DE OURO VAI EM TIAGO 5:14 ESTA ALGEM ENTRE VOS DOENTE? CHAME OS PRESBITEROS DA IGREJA E OREM SOBRE ELE, UNGINDO O COM AZEITE EM NOME DO SENHOR. PERGUNTO CADE O “PASTOR”
    É ENGANO ONDE TEM UNÇÃO DE PASTOR NA BIBLIA?
    QUEM UNGIU QUEM A PASTOR ?
    PSTORES SÃO LADRÕES VAGABUNDOS ENGANADORES TODOS TODOS TODOS.
    HOJE NÃO TEM MAIS PASTOR
    DIZIMO (DIZIMO É NA LEI HOJE SOMOS GENTIOS E VIVEMOS NA GRAÇA
    CEIA
    BATISMO
    VÃO ACHAR QUE É ´LOUCURA MAS QUEM LÊ BIBLIA VAI SABER
    OUTRO DETALHE FIZERAM UM COMÉRCIO DIZENDO QUE É IGREJA, ATOS 17:24 O DEUS QUE FEZ O MUNDO E TUDO QUE NELE HÁ,SENDO SENHOR DO CÉU E DA TERRA NÃO HABITA EM TEMPLOS FEITO POR MÃOS DE HOMENS.

    QUEM NÃO GOSTAR EU VALDEIR PEREIRA ESTOU A DISPOSIÇÃO
    A VERDADE DOI MAS TIRA MIUITAS PESSOAS DO ENGANO
    AMÉM

  3. Marcelo diz:

    Entendi tudo. Foi muito bem explicado. Não existe pastor homem só Jesus foi, é e será pastor. Nosso pastor!

    • Amém meu irmão! Temos que vigiar, pois muitos pastores de hoje são guiados por eles mesmos e não pelo Espírito Santo de Deus, pois muitos ministérios, na sede de abrir mais e mais templos, fizeram da igreja um comércio, onde só o que interessa é lucro e assim separam homens que não foram chamados por Deus para liderar as ovelhas do Senhor esses na maioria das vezes as tratam como lobo devoradores, mas esquecem o quão zeloso é o nosso Deus com suas ovelhas. Deixo um texto para reflexão desses falsos pastores. Fique na Paz!

      “Filho do homem, profetize contra os pastores de Israel; profetize e diga-lhes: ‘Assim diz o Soberano Senhor: Ai dos pastores de Israel que só cuidam de si mesmos! Acaso os pastores não deveriam cuidar do rebanho? Vocês comem a coalhada, vestem-se de lã e abatem os melhores animais, mas não tomam conta do rebanho. Vocês não fortaleceram a fraca nem curaram a doente nem enfaixaram a ferida. Vocês não trouxeram de volta as desviadas nem procuraram as perdidas. Vocês têm dominado sobre elas com dureza e brutalidade. Por isso elas estão dispersas, porque não há pastor algum, e, quando foram dispersas, elas se tornaram comida de todos os animais selvagens. As minhas ovelhas vaguearam por todos os montes e por todas as altas colinas. Elas foram dispersas por toda a terra, e ninguém se preocupou com elas nem as procurou. ” ‘Por isso, pastores, ouçam a palavra do Senhor: Juro pela minha vida, palavra do Soberano Senhor, que visto que o meu rebanho ficou sem pastor, foi saqueado e se tornou comida de todos os animais selvagens, e uma vez que os meus pastores não se preocuparam com o meu rebanho, mas cuidaram de si mesmos em vez de cuidarem do rebanho,
      ouçam a palavra do Senhor, ó pastores: Assim diz o Soberano Senhor: Estou contra os pastores e os considerarei responsáveis pelo meu rebanho. Eu lhes tirarei a função de apascentar o rebanho para que os pastores não mais se alimentem a si mesmos. Livrarei o meu rebanho da boca deles, e ele não lhes servirá mais de comida. ” ‘Porque assim diz o Soberano Senhor: Eu mesmo buscarei as minhas ovelhas e delas cuidarei. Assim como o pastor busca as ovelhas dispersas quando está cuidando do rebanho, também tomarei conta de minhas ovelhas. Eu as resgatarei de todos os lugares para onde foram dispersas num dia de nuvens e de trevas. Eu as farei sair das outras nações e as reunirei, trazendo-as dos outros povos para a sua própria terra. E as apascentarei nos montes de Israel, nos vales e em todos os povoados do país. Tomarei conta delas numa boa pastagem, e os altos dos montes de Israel serão a terra onde pastarão; ali se alimentarão num rico pasto nos montes de Israel.
      Eu mesmo tomarei conta das minhas ovelhas e as farei deitar-se, palavra do Soberano Senhor. Procurarei as perdidas e trarei de volta as desviadas. Enfaixarei a ferida e fortalecerei a fraca, mas a rebelde e forte, eu a destruirei. Apascentarei o rebanho com justiça. ” ‘Quanto a você, meu rebanho, assim diz o Soberano Senhor: Julgarei entre uma ovelha e outra, e entre carneiros e bodes.
      Não lhes basta comerem em boa pastagem? Deverão também pisotear o restante da pastagem? Não lhes basta beberem água límpida? Deverão também enlamear o restante com os pés? Deverá o meu rebanho alimentar-se daquilo que vocês pisotearam e beber daquilo que vocês enlamearam com os pés? ” ‘Por isso assim diz o Soberano Senhor a eles: Vejam, eu mesmo julgarei entre a ovelha gorda e a magra.
      Pois vocês forçaram passagem com o corpo e com o ombro, empurrando todas as ovelhas fracas com os chifres até expulsá-las, eu salvarei o meu rebanho, e elas não serão mais saqueadas. Julgarei entre uma ovelha e outra. Porei sobre elas um pastor, o meu servo Davi, e ele cuidará delas; cuidará delas e será o seu pastor. Eu, o Senhor, serei o seu Deus, e o meu servo Davi será o líder no meio delas. Eu, o Senhor, falei. ” ‘Farei uma aliança de paz com elas e deixarei a terra livre de animais selvagens para que possam, com segurança, viver no deserto e dormir nas florestas.
      Eu as abençoarei e abençoarei os lugares em torno da minha colina. Na estação própria farei descer chuva; haverá chuvas de bênçãos. As árvores do campo produzirão o seu fruto, e a terra produzirá a sua safra; o povo estará seguro na terra. Eles saberão que eu sou o Senhor, quando eu quebrar as cangas de seu jugo e livrá-los das mãos daqueles que os escravizaram. Eles não serão mais saqueados pelas nações, nem os animais selvagens os devorarão. Viverão em segurança, e ninguém lhes causará medo. Eu lhes darei uma terra famosa por suas colheitas, e eles não serão mais vítimas de fome na terra nem carregarão a zombaria das nações. Então eles saberão que eu, o Senhor, o seu Deus, estou com eles, e que eles, a nação de Israel, são meu povo, palavra do Soberano Senhor.
      Vocês, minhas ovelhas, ovelhas da minha pastagem, são o meu povo, e eu sou o Deus de vocês, palavra do Soberano Senhor’ “. Ezequiel 34:2-31

  4. Ana Lessa diz:

    Meu irmao li e reli o que postou, realmente temos que ter zelo quanto a tudo isso, porque hj o que vemos sao lideres mandando e desmando nas ovelhas, pregando aquilo que lhes conven e querendo manipular, temos que ficar atentos para nao falar AMEM com coisas fora da palavra, pq senao trazemos Juizo para nossas vidas, vamos focar na palavra de Deus, ler mais, estudar para nao nos contaminarmos, tudo isso e muito serio, Jesus esta voltando e vem buscar um povo santo, puro, temente a Deus e que viva de verdade esse evangelho de VIDA…..

    • É justamente por isso que nosso Pai nos mandou o consolador e ajudador, o Espírito Santo, para que não caimos no engano de falsos pastores e mestres, temos que vigiar e pedir a Deus que nos guie a cada dia, abrindo nossos olhos espirituais para que possamos enxergar as coisas que vem do Espírito de Deus e as que não vem…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *