Qual Evangelho devemos pregar?Texto

Caros irmãos, gostaria de compartilhar algo que o Senhor vem me mostrando através de um versículo que Ele diariamente põe no meu coração.

Na verdade são vários versículos em lugares diferentes da bíblia, porém como esse foi um dos primeiros vou começar por ele.

Trata-se de Gálatas 1:11, porém quero mostrar para vocês o que diz o capítulo 1, do versículo um até o onze:

1 Paulo, apóstolo enviado, não da parte de homens nem por meio de pessoa alguma, mas por Jesus Cristo e por Deus Pai, que o ressuscitou dos mortos, 2 e todos os irmãos que estão comigo, às igrejas da Galácia: 3 A vocês, graça e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo, 4 que se entregou a si mesmo por nossos pecados a fim de nos resgatar desta presente era perversa, segundo a vontade de nosso Deus e Pai, 5 a quem seja a glória para todo o sempre. Amém. Gálatas 1:1-5.

Não Há Outro Evangelho

6 Admiro-me de que vocês estejam abandonando tão rapidamente aquele que os chamou pela graça de Cristo, para seguirem outro evangelho 7 que, na realidade, não é o evangelho. O que ocorre é que algumas pessoas os estão perturbando, querendo perverter o evangelho de Cristo. 8 Mas ainda que nós ou um anjo dos céus pregue um evangelho diferente daquele que lhes pregamos, que seja amaldiçoado! 9 Como já dissemos, agora repito: Se alguém lhes anuncia um evangelho diferente daquele que já receberam, que seja amaldiçoado! 10 Acaso busco eu agora a aprovação dos homens ou a de Deus? Ou estou tentando agradar a homens? Se eu ainda estivesse procurando agradar a homens, não seria servo de Cristo. Gálatas 1:5-10.

Paulo, Chamado por Deus

11 Irmãos, quero que saibam que o evangelho por mim anunciado não é de origem humana. Gálatas 1:11.

Tenho sentido em meu espirito um imenso desapontamento do Senhor com a forma que alguns andam distorcendo a Graça, uns para mais, outros para menos e esse trecho nos mostra o descontentamento de Paulo, pelo Espírito do que ocorria também naquela época.

Existe uma corrente que perverte a Graça, tratando-a de certa forma com pouca reverência e dando pouco valor ao sacrifício feito por Jesus Cristo na cruz.

Esses tentam nos convencer que precisamos conquistar o Reino dos Céus pela força do braço, através de toda sorte de obras mortas, que seguem uma cartilha pré determinada, que nos remetem quase ao tempo da indulgência (http://www.dicio.com.br/indulgencia/), nos primórdios da igreja, antes de Martinho Lutero, onde praticamente induziam as pessoas a comprar um pedacinho do Céu, que foi  um dos motivos, talvez o principal, que levou a ruptura da igreja.

Por outro lado outros transformam a Graça, onde nós tivemos a Redenção, pelo sacrifício do nosso Senhor Jesus Cristo na cruz, em uma fonte de “desgraça eterna”, com ensinamentos de engano, levando as pessoas ao erro de imaginar que basta aceitarmos Jesus e já garantimos uma vaga no Céu e que a partir dali tudo vai ser uma maravilha até a chegada ao paraíso, levando uma vida quase igual as pessoas que ainda não conheceram Jesus.

Se assim fosse Jesus não falaria assim com seus discípulos:

21 Desde aquele momento Jesus começou a explicar aos seus discípulos que era necessário que ele fosse para Jerusalém e sofresse muitas coisas nas mãos dos líderes religiosos, dos chefes dos sacerdotes e dos mestres da lei, e fosse morto e ressuscitasse no terceiro dia. 22 Então Pedro, chamando-o à parte, começou a repreendê-lo, dizendo: “Nunca, Senhor! Isso nunca te acontecerá!” 23 Jesus virou-se e disse a Pedro: “Para trás de mim, Satanás! Você é uma pedra de tropeço para mim, e não pensa nas coisas de Deus, mas nas dos homens”. 24 Então Jesus disse aos seus discípulos: “Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. 25 Pois quem quiser salvar a sua vida , a perderá, mas quem perder a sua vida por minha causa, a encontrará. 26 Pois, que adiantará ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou, o que o homem poderá dar em troca de sua alma? 27 Pois o Filho do homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos, e então recompensará a cada um de acordo com o que tenha feito. 28 Garanto-lhes que alguns dos que aqui se acham não experimentarão a morte antes de verem o Filho do homem vindo em seu Reino”. Mateus 16:21-28

Primeiro Jesus repreende Pedro, quando ele diz que Ele não precisaria passar pelo sofrimento que nos trouxe a redenção,  reprendendo na verdade quem estava tentando levar Jesus ao erro: Belzebu.

Continua dizendo que aquela forma de pensar era de homens, e termina nos mostrando o caminho que devem trilhar os que quiserem ser Seus discípulos:

  • Negar a si mesmo.

Como? Fazendo a vontade do Pai e não a nossa, deixando que Jesus cresça em nós e nós morramos para o nosso próprio eu a cada dia;

  • Tomando a nossa cruz e seguindo a Ele.

Esse é o principal ponto onde os que pregam uma falsa graça confundem os que estão guiando.

Sabemos que a nossa carne é contrária ao Espírito, onde já vimos em uma mensagem anterior quais são os frutos da carne e os do Espírito.

É aí justamente que está a nossa cruz e o nosso sacrifício, pois a cada dia temos que vigiar, para que a nossa carne não dê frutos, ao mesmo tempo temos que abundar nos frutos do Espírito.

É nessa hora que muitos erram achando que ao aceitar Jesus está tudo consumado, esses tem que entender que isso é só o princípio da caminhada cristã e que a cada dia que mortificamos a nossa carne, carregando-a como nossa cruz, o resplandecer da Glória do Nosso Senhor brilhará cada vez mais na nossa vida e assim teremos um verdadeiro caminhar com Cristo;

  •  Jesus nos afirma aqui que “aquele que perder a sua vida a achará e o que achar a perderá”

Ele nos diz aqui que quem der mais valor a sua vida e as coisas terrenas perderá a vida eterna e quem morrer para o seu próprio eu e frutificar no Espírito ganhará a vida eterna;

  • Para os que tratam a Graça em excesso Jesus também deixa um recado:

Ele os chama de pedra de tropeço;

  • Ele termina deixando uma mensagem nas entrelinhas no versículo 28:

Aqueles que  verdadeiramente O seguirem, provarão ainda em vida da Sua presença e das maravilhas do Reino dos Céus, porém repito novamente, se morrerem para o seu próprio eu, carregarem sua cruz e O seguirem em Espírito e em verdade.

Meus irmãos temos que ter um equilíbrio, não devemos ir nem por um caminho nem pelo outro, pois se assim fizermos estaremos negando o sacrifício do Nosso Senhor Jesus Cristo.

Temos que entender que não é mais pela força que conquistamos o Reino dos Céus pois se assim fosse estaríamos negando a Jesus, ao mesmo tempo que uma Fé em Jesus sem os frutos do Espírito, se transforma em uma fé morta.

Se o Espírito de Jesus frutifica em nós as obras acontecem naturalmente, sendo assim as obras vem pelo Espírito e não o Espírito pelas obras.

Se invertermos isso estaremos negando ao sacrifício na cruz, ao mesmo tempo que se pararmos apenas em aceitar Jesus como nosso Senhor e Salvador e não houver uma transformação por inteiro em nossas vidas, e nossos frutos não forem do Espírito, o sacrifício do nosso Senhor também terá sido em vão.

Volto agora para o versículo que o meu Senhor vem pondo no meu coração a cada dia:

11 Irmãos, quero que saibam que o evangelho por mim anunciado não é de origem humana. Gálatas 1:11

Digo a vocês que é justamente esse evangelho que Ele quer que nos preguemos e vivamos, um que não seja de origem humana, livre de toda religiosidade e sofismas (http://www.dicio.com.br/sofisma/), um que pregue verdadeiramente o Reino dos Céus, e esse só pode ser pregado por aqueles que estão no mesmo Espírito que o Nosso Senhor Jesus Cristo.

Que a graça e a paz do nosso Senhor Jesus estejam com vocês!

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *